97: Por que a literatura brasileira não reflete a realidade?

2:49:13
 
Teilen
 

Manage episode 251297530 series 1041827
Von Senso Incomum entdeckt von Player FM und unserer Community - Das Urheberrecht hat der Herausgeber, nicht Player FM, und die Audiodaten werden direkt von ihren Servern gestreamt. Tippe auf Abonnieren um Updates in Player FM zu verfolgen oder füge die URL in andere Podcast Apps ein.
Guten Morgen, Brasilien! Fazendo uma pausa com temas políticos chatos e com duração de uma semana, chamamos nosso querido colunista Carlos de Freitas para comentar uma frase de Olavo de Carvalho, logo no início do COF: a afirmação de que a literatura brasileira é a única literatura no mundo que não reflete a realidade do país. Ou seja, países muito mais pobres e atrasados materialmente do que o Brasil, seja na América Central ou África, possuem literaturas mais avançadas e trabalhadas. E, sobretudo, que de uma forma ou de outra, mesmo simbolicamente, refletem algo da realidade de seus países, enquanto a nossa literatura quase inteira fala unica e exclusivamente sobre como era ruim a ditadura militar. Ou seja: as angústias atuais do povo brasileiro, seja a insegurança e a pobreza, ou mesmo temas muito mais afastados da política, como o estranhamento urbano em relação à natureza, o conflito moral interno, a honra, o desentendimento familiar, a perda do sentido do sagrado e o diálogo com Deus – tudo isso está alheio em uma literatura de tipos quadrados, estereótipos e tipos abertamente fracassados, sempre inferiores a seu meio e culpando as circunstâncias por sua miséria. Por que isto ocorre? O Brasil, afinal, já é um país que começa a se tornar materialmente rico, enquanto nossa cultura e imaginação só se deterioram e se empobrecem – para não falar de nosso domínio sobre a língua portuguesa. Nesse podcast, falaremos sobre literatura, sobre cultura e os grandes temas que movem a humanidade desde antes de inventarem a escrita – o heroísmo, a amizade, as aventuras, as intrigas – até chegarmos aos temas da modernidade, no que ela produziu de bom. De Homero a Coleridge, da Bíblia a Houellebecq. E tudo comentando sobre grandes livros, é claro – porque você deve aproveitar este ano para ler mais o que importa, e o único jeito para isso é lendo menos o que não importa. A produção é de Filipe Trielli e David Mazzuca Neto no estúdio Panela Produtora, com produção visual de Gustavo Finger da Agência Pier. Guten Morgen, Brasilien! ------------- Conheça a importância da Primeira Guerra Mundial assinando o Guten Morgen Go - go.sensoincomum.org

114 Episoden