Fridaycast 160 – Cultura do Estupro

1:12:32
 
Teilen
 

Manage episode 278140959 series 2083591
Von Fridaycast entdeckt von Player FM und unserer Community - Das Urheberrecht hat der Herausgeber, nicht Player FM, und die Audiodaten werden direkt von ihren Servern gestreamt. Tippe auf Abonnieren um Updates in Player FM zu verfolgen oder füge die URL in andere Podcast Apps ein.
Fridaycast 160 – O tema principal começa aos (3:46) Bancada: Cris Bertold, Michel Gomes e Renata Oliveira. Convidada: Camila Galetti - doutoranda e mestra em sociologia pela Universidade de Brasília. Tem estudado teoria feminista, neoliberalismo e extrema-direita. É pesquisadora do projeto Mulheres Eleitas (LAPPCOM/UFRJ). Links Fridaycast: Instagram: instagram.com/fridaycast Twitter: twitter.com/fridaycastbr Facebook: facebook.com/fridaycast Participe do “Eu Tava Ali” e mande sua mensagem para o e-mail fridaycast@fridaycast.com.br ou por nossas redes sociais! Apoio: Shogun Livraria - shogunlivraria.com.br Edição: AudioTune - audiotune.com.br Arte de capa: Carlos Anibale - behance.net/anibalecarlos Nos últimos anos, muito tem se falado da cultura do estupro nas redes sociais. Ainda assim, há quem diga: “Como assim, ‘cultura do estupro’? Eu nunca estuprei ou assediei ninguém!”. Na verdade, o assunto é muito mais denso! Em 2018, a promoter catarinense Mariana Ferrer, de 23 anos, foi estuprada em uma festa em uma boate. Um tempo depois, ela acusou o empresário André de Camargo Aranha de ter sido o estuprador. No dia 2 desse mês, o site Intercept divulgou um vídeo do julgamento, que gerou revolta nas redes sociais. Nele, o advogado de defesa humilhou Mariana de diversas formas, mostrando fotos dela nas redes sociais onde estaria, segundo ele, em “poses impróprias”. No vídeo, nem o promotor do caso, que deveria defender a vítima, e nem o juíz fizeram nada para conter a humilhação. No fim, André foi considerado inocente, no que ficou conhecido como “estupro culposo” pelo Intercept. A conivência da justiça e da opinião pública com casos de estupros não são raros. Há pouco mais de um mês o Santos anunciou a volta do jogador Robinho para seu time, depois de anos jogando fora do país. O problema aqui é que ele e um amigo foram condenados em primeira instância por estupro pela justiça italiana. O time só voltou atrás depois de muita pressão nas redes sociais e, consequentemente, dos patrocinadores. Novamente, não são casos isolados. A “cultura do estupro” está muito além do “quem é o culpado”, mas também de como a sociedade vê esse tipo de acusação, como as vítimas são acolhidas e como são tratadas por aqueles que deveriam protegê-las: a polícia, a justiça brasileira e, muitas vezes, a própria família.

274 Episoden