O DRAGÃO - de Ray Bradbury

13:00
 
Teilen
 

Manage episode 338446830 series 2922949
Von Carlos Eduardo Valente entdeckt von Player FM und unserer Community - Das Urheberrecht hat der Herausgeber, nicht Player FM, und die Audiodaten werden direkt von ihren Servern gestreamt. Tippe auf Abonnieren um Updates in Player FM zu verfolgen oder füge die URL in andere Podcast Apps ein.

Mais um pequeno conto de Ray Bradbury.

Dois cavaleiros medievais, numa campina, no meio do nada. Há muitas Eras não mais se criava vida na Terra, e há séculos não se ouvia um piado sequer de uma ave, no céu. Era noite. Um monstro vivia no meio do descampado: um dragão feroz, selvagem, que esmagava as pessoas, queimava a relva seca com jatos de fogo e devorava quem se atrevesse a viajar temerariamente entre as cidades.

Seria melhor, talvez, que os cavaleiros voltassem para seu castelo. Não durariam uma hora sequer, com o dragão à solta. Um único olho amarelado, soltando fumaça e fogo pelas ventas, as garras poderosas...

Mas a tarefa dos dois homens era clara, não havia tempo para fugirem e se esconderem. Um dos cavaleiros não se lembrava mais em que ano estavam, ao que o outro respondeu: “Aquele era o ano 900 após a Natividade”.

Mas o que fizera a pergunta redarguiu, atemorizado: Não, nessa planície desolada e esquecida, o tempo não mais existe. As pedras com que se construíram os castelos estão de volta nas pedreiras, os homens, mulheres e crianças das cidades ainda não nasceram e as próprias vilas e cidades não existem, ainda.

Nisso, ouvem um rugido, vindo da escuridão. Os dois cavaleiros colocam as armaduras e luvas de metal e montam nos cavalos, já selados. Avançam em direção ao monstro, seu único olho amarelado queimando, o rugido fazendo tremer o solo. Rasga a noite, vindo a toda velocidade. Um dos cavaleiros atinge o dragão bem abaixo do olho com a lança, mas é lançado longe pelo ricochete. O dragão esmaga-o, mata-o. O segundo homem atinge o monstro e é arremessado contra rochas.

O dragão continua seu avanço. Um dos maquinistas, dentro dele, comenta que vira dois cavaleiros se lançando em ataque contra a máquina. Não é possível!, comenta outro. Toquei a buzina, sem parar. E não teria freado nem por nada deste mundo, aqui nesse lugar ermo é perigoso parar...

Assim, o comboio segue viagem à toda, enfiando-se no desfiladeiro que se assoma perante os dois maquinistas. A fumaça espessa que lança no ar faz tudo parar, tudo estagnar.

Produzido, eidtado, narrado e interpretado por Carlos Eduardo Valente

Fonto encontrada na internet, sem nome do autor, produzida para este áudiobook por Carlos Eduardo Valente

Se vc quiser apoiar esse projeto, acesse:

https://apoia.se/carloseduardovalente

Pode apoiar também através de um PIX

carlao50@gmail.com - Banco NUBANK

Inscreva-se em nosso canal do YouTube:

https://youtube.com/c/CarlosEduardoValente

197 Episoden