THE NATURAL WAY TO DRAW – exercício 13 – Desenho modelado com tinta

8:47
 
Teilen
 

Manage episode 291967158 series 2472375
Von Diletante Profissional entdeckt von Player FM und unserer Community - Das Urheberrecht hat der Herausgeber, nicht Player FM, und die Audiodaten werden direkt von ihren Servern gestreamt. Tippe auf Abonnieren um Updates in Player FM zu verfolgen oder füge die URL in andere Podcast Apps ein.
Compre livros e seus materiais de desenho e arte aqui https://amzn.to/31M0tvC Esse é o décimo terceiro exercício da série de exercícios do livro do Kimon Nicolaides. No primeiro post eu falei sobre quem é Nicolaides e qual a linha de pensamento do livro. Se você não viu esse post ele o ponto de partida. Veja aqui. Veja os cronogramas de exercícios aqui. Você pode ver todas as postagens sobre o livro aqui nessa tag. Prelúdio: antes do novo bloco de exercícios, Nicolaides fala sobre como as preconcepções atrapalham o estudo do desenho, sobre como tendemos a olhar para um desenho como o desenho e não como o objeto real que ele retrata. Temos que olhar as figuras não como uma pintura de Renoir, mas como carne e osso reais. Para Nicolaides, a única forma de escapar dessa limitação das preconcepções é a ação física dos 5 sentidos. Segundo o autor é preciso ter um contato direto com o modelo, ao meu ver esse posicionamento dele tem mais a ver com você entender no seu próprio corpo a ação que você está vendo, acionar memórias musculares ou mesmo sensação táteis, por exemplo, se você está desenhando um vidro, a lembrança da sensação de tocar um vidro, do que de uma presença física em si. Para Nicolaides, fala-se muito sobre “beleza” e “verdade”, mas a única coisa com que o aluno precisa se preocupar é com a realidade, a mesma realidade natural que permeia o cotidiano dele. Objetivo: treinar a sensação de volume e peso de uma figura Materiais: papel barato (sempre 1 desenho por folha e vai ser feito centenas de desenho, então use o papel mais barato que achar, frente e verso) uma caneta de ponta grossa e forte (a boa esferográfica do dia a dia) (não usar pena para não limitar os movimentos) Observações: o exercício em si é semelhante ao desenho modelado (exercício 7), mas a caneta acrescenta uma dificuldade pois a espessura do traço não se alterna Exercício: você vai escolher uma referência e construir o desenho dela do centro para as bordas em um movimento rotacional que vai cobrir toda a superfície sem nunca tirar a caneta do papel. Quando a caneta chega a um contorno horizontal ou vertical, você vai fazer da mesma forma que com o carvão, vai apertar a caneta quando o contorno for para “trás” (para longe de você) e riscar mais leve quando o contorno se aproxima de você. Lembre-se que não haverá contornos você não deve pensar (nem desenhar) nas bordas. Não é para ser tímido aqui, é para apertar com força quando for necessário e riscar até a figura estar completamente escura (lembrando que objetivo aqui não é uma arte finalizada, isso é um estudo que deve ser repetido muitas vezes) https://youtu.be/3Y4tp-glczM

228 Episoden